Segunda-feira, 29 de Janeiro de 2007

Na Minha Cidade

CRÓNICAS

 

- Na Minha Cidade –

 

 

 Há pensamentos que me assolam, negros, como o humor de alguns, que me rodeiam e no entanto continuo, a vegetar no dia a dia, nesta cidade, que por vezes mais parece uma aldeia. Mas aldeia, apenas em mentalidade, em coisa pequena que não evolui ou não quer ou não pode…

Eu olho em volta, sempre à espera de algo que me desperte, que me chame à atenção, que faça meus olhos arregalarem…E nada vejo, que o faça.

Começo a odiar o trânsito matinal, o pior do dia. As pessoas com o olhar remeloso, abraçadas ao volante a apitarem por tudo e por nada, acelerando, nunca perdoando qualquer erro automobilístico do parceiro da frente.

E eu perdido em pensamentos, observo um céu cinzento de água, de fumos de poluição, de pessoas a atropelarem-se em passeios, saturados de carros de luzes intermitentes…A azafama das 9 horas da manhã, a corrida insistente para os empregos, a corrida desenfreada, a lamuria das ambulâncias, no seu uivar estridente a cortar a monotonia da cidade que acorda para um novo dia, desperta-me dos pensamentos.

Um olhar mais crítico, observador, alerta-me para despojos de sacos de lixo, que jazem adormecidos em passeios esburacados, por onde tento passar, evitando estradas transformadas em pistas de carros de aceleras suicidas, que atravessam a cidade que também já foi minha. Agora olho para ela, com lágrimas nos olhos de nostalgia, por algo que já se perdeu ao longo dos anos de evolução…

São tempos que apenas se recorda em qualquer fotografia, perdida no álbum que era dos pais e que nós mirávamos de soslaio sem qualquer interesse e que agora recordamos com saudades.

Na minha cidade que outrora, tinha árvores frondosas, vejo hoje coutos de árvores, marcadas pelo evoluir da poluição, não vejo ardinas que nos cantavam as notícias de manhã e de tarde, pendurados em eléctricos ou autocarros, abertos atrás onde nos pendurávamos na esperança de poupar uns tostões… Tostões…Que se será dessas moedas que religiosamente solicitávamos nos Santos populares…Dá-me um tostão p’ro Santo António…

Neste trânsito caótico matinal, tento atravessar uma rua, mas torna-se quase uma lotaria, atravesso? sou atropelado?, arrisco?, espero pela gentileza de alguém menos sádico…Que faço? Quero um Polícia sinaleiro…Já! Ficava sempre impressionado observando a sua dança muda, de luvas brancas e de cabeça de “giz” apenas interrompida pelo apito que segurava nos lábios, e lá atravessava a rua sempre com um olhar de admiração por alguém que na sua dança solitária, conseguia segurar aquelas “bestas”, como se de bois fossem, sempre prontos a ripostar numa qualquer refrega.

Após me sentir como herói, por ter conseguido atravessar uma estrada sem ter sido atropelado, fora da passadeira inexistente, lá sigo para o café mais próximo, a fim de cumprir um dos rituais mais antigos dos portugueses – tomar a bica –.

Café, bica, cimbalino…, seja o que for, tem é que ser café para me acordar e colocar os neurónios a funcionarem…Depois lá vem, um, dois, três cigarros, para aconchegar o estômago e colocar o organismo na ordem, pronto a funcionar.

Ainda passo o olhar distraído na banca dos jornais, desportivos claro…Os outros são indigestos…

Apresso o passo, dando uma corridinha, chocalhando o café dentro de mim, pois do céu, cai chuva daquela grossa, que molha todos, mesmo os parvos.

 

 

Heitor de Mendonça

sinto-me:
música: Money - Pink Floyd
publicado por heitormendonca às 00:34
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Lubov a 29 de Janeiro de 2007 às 20:57
Já li a crónica!...
Da tua cidade que também é minha, pois me perco na memória dessas recordações...
O Polícia sinaleiro bailarino. Lembras-te?Tal era o empenho e beleza que ele punha em cima do tamborete onde dirigia o transito...
Os ardinas? Desapareceram ou apenas se sedentarizaram em quiosques, ou vãos de escada onde vamos actualmente comprar os jornais.
Tudo mudou, fruto do tempo e do desenvolvimento...
Mas sabes? Eu morro de saudades de algumas dessas coisas, e isso causa-me por vezes uma nostalgia...E só consigo matar sadaudades recorrendo às arcas da memória...
Gostei de te ler...continua.
Um beijinho
Lubov
De Augusto P.Gil a 8 de Fevereiro de 2007 às 00:58
Ola Heitor, eu gostei da tua cidade, que é minha tambem, para quando mais? Sei que andas muito ocupado, mas faz um esforço.
Um abraço
Gil

Comentar post

.mais sobre mim

.Relógio

.Janeiro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
27
28
30
31

.Visitas

html counters
Walmart Store Online

.Nocturnas de Fim de Semana

.pesquisar

 

.posts recentes

. Na Minha Cidade

. Caros Amigos...

. Inauguração

.arquivos

. Janeiro 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds